Segunda, 19 Fevereiro 2018

lula

Slideshow - Notícias

PARABÉNS PT 38 ANOS!


Leia Mais

PARABÉNS PT 38 ANOS!

Pacote com 55 ameaças aos direitos dos trabalhadores tramita no parlamento

O retrocesso para o trabalhador no pós-golpe tem se mostrado um verdadeiro massacre. Após o estado democrático de direito ter sido violado pelo processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff, os golpistas estão à vontade para atacar os direitos historicamente conquistados pela classe trabalhadora. De acordo com levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) as principais matérias tramitando no Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado Federal) se referem à retirada de direitos trabalhistas.

Para o técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) Maurício Mulinari, o pacote de projetos é um amplo ataque da burguesia brasileira e internacional contra os trabalhadores. Ele ressaltou que na estiva da crise forjada pela elite, a mesma tenta resolver o problema repassando a conta para a classe trabalhadora.

“As medidas, se aprovadas, representam uma ampla redução das condições de vida dos trabalhadores brasileiros, principalmente das camadas mais empobrecidas da população, como a redução de salário, maiores jornadas de trabalho, redução das aposentadorias e pensões, além de uma ampliação na exploração dos trabalhadores. As medidas gerarão uma ampla crise social no país, aliadas ao aumento do desemprego, a criminalidade, piores moradias e certamente um acirramento da disputa de classes na sociedade brasileira”, aponta Mulinari.

Entre os 55 projetos de lei, que visam massacrar o trabalhador, está a regulamentação da terceirização sem limite, permitindo a precarização das relações de trabalho com o PL 4302/1998, na Câmara, PLC 30/2015 e PLS 87/2010 no Senado. A terceirização implantada no governo FHC, ganha força e tende a se tornar um paraíso para as empresas e um inferno para os trabalhadores, já que FGTS, férias, contribuições previdenciárias entre outros direitos estarão extintos.

A redução da idade para início da atividade laboral de 16 para 14 anos também está em pauta. De acordo com o projeto, crianças e adolescentes poderão trabalhar e os jovens das camadas sociais mais pobres serão mão de obra precoce e barata, ao invés de estarem frequentando escolas qualificadas e em tempo integral, estarão cumprindo jornada de trabalho. O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) está sendo ignorado e o estado fugindo de sua responsabilidade.

Além disso, também tramita na Câmara dos Deputados a PL 427/15 que institui o acordo extrajudicial de trabalho permitindo a negociação direta entre empregado e empregador. Isto possibilita que os acordos trabalhistas extrajudiciais sejam homologados, conciliados e julgados pela justiça do Trabalho. São os chamados “Acordos Individuais” que retiraram o poder da negociação coletiva.

Já o PL 4193/2012 permite que convenções ou acordos coletivos de trabalho prevaleçam sobre as leis trabalhistas, tendo como única restrição que não sejam inconstitucionais nem contrariem normas de higiene, saúde e segurança.

Confira a lista completa do pacote de projetos:

1. Regulamentação da terceirização sem limite permitindo a precarização das relações de trabalho (PL 4302/1998 – Câmara, PLC 30/2015 – Senado, PLS 87/2010 – Senado);
2. Redução da idade para início da atividade laboral de 16 para 14 anos (PEC 18/2011 – Câmara);
3. Instituição do Acordo extrajudicial de trabalho permitindo a negociação direta entre empregado e empregador (PL 427/2015 – Câmara);
4. Impedimento do empregado demitido de reclamar na Justiça do Trabalho (PL 948/2011 – Câmara e PL 7549/2014 – Câmara);
5. Suspensão de contrato de trabalho (PL 1875/2015 – Câmara);
6. Prevalência do negociado sobre o legislado (PL 4193/2012 – Câmara);
7. Prevalência das Convenções Coletivas do Trabalho sobre as Instruções Normativas do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE (PL 7341/2014 – Câmara);
8. Livre estimulação das relações trabalhistas entre trabalhador e empregador sem a participação do sindicato (PL 8294/2014 – Câmara);
9. Regulamentação do trabalho intermitente por dia ou hora (PL 3785/2012 – Câmara);
10. Estabelecimento do Código de Trabalho (PL 1463/2011 – Câmara);
11. Redução da jornada com redução de salários (PL 5019/2009 – Câmara);
12. Vedação da ultratividade das convenções ou acordos coletivos (PL 6411/2013 – Câmara);
13. Criação de consórcio de empregadores urbanos para contratação de trabalhadores (PL 6906/2013 – Câmara);
14. Regulamentação da EC 81/2014, do trabalho escravo, com supressão da jornada exaustiva e trabalho degradante das penalidades previstas no Código Penal (PL 3842/2012 – Câmara, PL 5016/2005 – Câmara e PLS 432/2013 – Senado);
15. Estabelecimento do Simples Trabalhista criando outra categoria de trabalhador com menos direitos (PL 450/2015 – Câmara);
16. Extinção da multa de 10% por demissão sem justa causa (PLP 51/2007 – Câmara e PLS 550/2015 – Senado);
17. Susta a Norma e Regulamenta (NR) 12 sobre Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos (PDC 1408/2013 – Câmara e PDS 43/2015 – Senado);
18. Execução trabalhista e aplicação do princípio da desconsideração da personalidade jurídica (PL 5140/2005 – Câmara);
19. Deslocamento do empregado até o local de trabalho e o seu retorno não integra a jornada de trabalho (PL 2409/2011 – Câmara);
20. Susta Norma Regulamentadora 15, do Ministério do Trabalho Emprego, que regula as atividades de trabalhadores sob céu aberto (PDC 1358/2013 – Câmara);
21. Susta as Instruções Normativas 114/2014 e 18/2014, do Ministério do Trabalho, que disciplinam a fiscalização do trabalho temporário (PDC 1615/2014 – Câmara);
22. Estabelecimento da jornada flexível de trabalho (PL 2820/2015 – Câmara e PL 726/2015 – Câmara);
23. Estabelecimento do trabalho de curta duração (PL 3342/2015 – Câmara);
24. Transferência da competência para julgar acidente de trabalho nas autarquias e empresas públicas para a Justiça Federal (PEC 127/2015 – Senado);
25. Aplicação do Processo do Trabalho, de forma subsidiária, as regras do Código de Processo Civil (PL 3871/2015 – Câmara);
26. Reforma da execução trabalhista (PL 3146/2015 – Câmara);
27. Substitutivo apresentado na CAPADR estabelece a inexigibilidade do cumprimento simultâneo dos requisitos de “utilização da terra” e de “eficiência na exploração” para comprovação da produtividade da propriedade rural (PL 5288/2009 – Câmara);
28. Alteração da Lei 5.889/1973, que institui normas reguladoras do trabalho rural, e a Lei 10.101/2000, que dispõe sobre a participação dos trabalhadores no lucro ou resultados da empresa, visando a sua adequação e modernização (PLS 208/2012 – Senado);
29. Alteração da Lei no 1.079/1950, para definir como crime de responsabilidade de governador de Estado a recusa ao cumprimento de decisão judicial de reintegração de posse (PLS 251/2010 – Senado);
30. Alteração da Lei 8.629/1993, para dispor sobre a fixação e o ajuste dos parâmetros, índices e indicadores de produtividade (PLS 107/2011 – Senado);
31. Regulamentação da compra de terra por estrangeiros (PL 4059/2012 – Câmara e PL 2269/2007 – Câmara);
32. Alteração da Lei de Biossegurança para liberar os produtores de alimentos de informar ao consumidor sobre a presença de componentes transgênicos quando esta se der em porcentagem inferior a 1% da composição total do produto alimentício (PLC 34/2015 – Senado).
33. Dispensa do servidor público por insuficiência de desempenho (PLP 248/1998 – Câmara);
34. Instituição de limite de despesa com pessoal (PLP 1/2007 – Câmara);
35. Criação do Estatuto das Fundações Estatais (PLP 92/2007 – Câmara);
36. Regulamentação e retirada do direito de greve dos servidores (PLS 710/2011 – Senado; PLS 327/2014 – Senado; e PL 4497/2001 – Câmara); e
37. Extinção do abono de permanência para o servidor público (PEC 139/2015 – Câmara);
38. Fim da exclusividade da Petrobras na exploração do pré-sal (PL 6726/2013 – Câmara);
39. Estabelecimento de que a exploração do pré-sal seja feita sob o regime de concessão (PL 6726/2013);
40. Estabelecimento de independência do Banco Central (PEC 43/2015 – Senado);
41. Privatização de todas as empresas públicas (PLS 555/2015 – Senado);
42. Proibição de indicar dirigente sindical para conselheiros dos fundos de pensão públicos (PLS 388/2015 – Senado);
43. Estabelecimento do Código de Mineração (PL 37/2011 – Câmara);
44. Demarcação de terras indígenas (PEC 215/2000);
45. Cancelamento da política de Participação Social (PDS 147/2014 – Senado);
46. Alteração do Código Penal sobre a questão do aborto, criminalizando ainda mais as mulheres e profissionais de saúde (PL 5069/2013 – Câmara);
47. Retirada do texto das políticas públicas do termo “gênero” e instituição do Tratado de San José como balizador das políticas públicas para as mulheres. É um total retrocesso para todo ciclo das políticas (MPV 696/2015 – Senado);
48. Instituição do Estatuto do Nascituro – provavelmente maior ameaça aos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. Seria concretizada a criminalização generalizada das mulheres, inviabilizando, inclusive, o aborto em caso de estupro, previsto no Código Penal (PL 478/2007 – Câmara);
49. Instituição do Estatuto da Família – retrocesso para grupos LGTBs e mulheres: não reconhecimento como família – ficam fora do alcance de políticas do Estado (PL 6583/2013 – Câmara);
50. Redução da maioridade penal (PEC 115/2015 – Senado);
51. Instituição do Estatuto do desarmamento (PL 3722/2012 – Câmara);
52. Estabelecimento de normas gerais para a contratação de parceria público-privada para a construção e administração de estabelecimentos penais (PLS 513/2011 –Senado);
53. Aumento do tempo de internação de adolescentes no sistema socioeducativo (PLS 2517/2015 – Senado);
54. Atribuição à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania do exame do mérito das Propostas de Emenda à Constituição (PEC), acabando com as comissões especiais (PRC 191/2009 – Câmara); e
55. Alteração da Constituição para que entidades de cunho religioso possam propor Ações de Constitucionalidade perante o STF (PEC 99/2001 – Câmara).

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

Ao completar 38 anos, PT comemora alinhamento com 85% da população, diz Dresch

16 Fevereiro 2018
Ao completar 38 anos, PT comemora alinhamento com 85% da população, diz Dresch

O deputado estadual, Dirceu Dresch, líder da Bancada do PT na Alesc, comemorou os 38 anos do Partido dos Trabalhadores, completados no último dia 10 de fevereiro. “Há 38 anos, era criado no Brasil um novo partido, surgido da necessidade de milhões de cidadãos de intervir na vida social e...

Luciane diz que professores jamais terão aposentadoria pública com reforma da previdência

16 Fevereiro 2018
 Luciane diz que professores jamais terão aposentadoria pública com reforma da previdência

A deputada estadual, Luciane Carminatti (PT/SC) disse que os professores jamais terão aposentadoria pública se a reforma da previdência for aprovada. “Vai afetar frontalmente os professores deste país.” Em agenda com educadores pela na região Oeste na última semana, a deputada afirmou que foi questionada sobre a dificuldade de um...

SINE poderá ter cadastro de pessoas acometidas pela LER

16 Fevereiro 2018
SINE poderá ter cadastro de pessoas acometidas pela LER

A pessoa com Lesão por Esforço Repetitivo (LER) tem alguns movimentos limitados, mas isso não impede que ela desenvolva outras funções. Com o objetivo de incluir estas pessoas no mercado de trabalho, propiciando mais qualidade de vida, o deputado Neodi Saretta, está solicitando a elaboração um cadastro específico de pessoas...

Padre Pedro pede mais investimento em saúde preventiva e práticas integrativas

16 Fevereiro 2018
Padre Pedro pede mais investimento em saúde preventiva e práticas integrativas

Na esteira dos debates sobre o não cumprimento, em 2017, da Emenda que obriga o Governo do Estado a repassar 13% dos recursos à saúde, o deputado Padre Pedro Baldissera questionou também o modelo de atendimento em Santa Catarina e no Brasil. No último ano o Estado aplicou 12,6%, o...

Carnaval de 2018 foi de denúncia ao golpe, à mídia e de apoio a Lula, disse Ana Paula

16 Fevereiro 2018
Carnaval de 2018 foi de denúncia ao golpe, à mídia e de apoio a Lula, disse Ana Paula

A deputada estadual Ana Paula Lima, disse hoje, no Plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, que o Carnaval de 2018 entra para a história do Brasil, como um dos mais politizados. “Denunciou, de forma lúdica, o golpe para o mundo constrangendo a grande mídia, em especial a Rede Globo...

PTSC no Twitter

PTSC no Facebook

Cartilha, Direito de Resposta

Nosso Endereço

Partido dos Trabalhadores de Santa Catarina.
Praça Olívio Amorim, 36, CEP: 88.020-090, Florianópolis - SC
Fone/Fax: 48 3028-6313

Receber informativo

Entrar em Contato

Email:
Assunto:
Mensagem:

Sites Importantes

 
 cutsc
 frente
 povosemmedo
doacao
 estrela do pt 2